Irmãos e Irmãs! Exorto-vos a viver, em união, com Cristo, para serdes novas criaturas: “Revesti-vos de misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência, suportai-vos e perdoai-vos, mutuamente, se houver razão de queixa contra Vós e perdoai, como Deus Vos perdoou”(Col.3,12-13). Escutai a Palavra de Deus, como Maria Santíssima o fez. O Papa Francisco, na sua mensagem da Quaresma, recorda-nos que Deus prefere a obediência e a misericórdia ao sacrifício (Mt.9,13). 


1.- A Quaresma, como itinerário de Quarenta Dias, rumo à Páscoa, na fé e esperança da vida gloriosa, abre o ciclo litúrgico da redenção. Como Israel, a caminho da terra prometida, com Cristo que fez a vontade do Pai, dando-nos o exemplo, peregrinemos, com sobriedade, na conversão, solidariedade e sentimentos de misericórdia e piedade. Não há Quaresma, sem Deus e vida gloriosa, nem Páscoa, sem morte,  jejum, esmola, imitação e sequela de Cristo. O egoísmo, auto-suficiência e indiferença geram avareza, luxúria, inveja e violência e matam o altruísmo. O egoísta é escravo do mal, violento e intolerante. Sem amor a Deus e ao próximo, só há impunidade, lei da selva e violência. Se Deus não existe, tudo é permitido, diz Dostoievski, o outro é coisa descartável e venal e a esperança na vida ultra-terrena morre, no egoísta e libertino, que obedece ao programa cínico do “comamos e bebamos que amanhã morreremos”.


2.- Escutai a Palavra de Deus. Crescei na santidade, abertos à misericórdia e ao diálogo. A aliança, com Deus, brilha, na misericórdia e vontade salvífica do Pai, clemente e compassivo e revela-se em Seu Filho, cume da revelação. Quem vê Jesus vê o Pai, pois, ambos são um só. A misericórdia divina é anunciada ao mundo, pelos que crêem no Filho e testemunham diálogo, solidariedade, compaixão e sobriedade, renunciando ao supérfluo e ao esbanjamento, para os pobres terem o necessário, segundo o destino universal dos bens, de que fala a Doutrina Social da Igreja. O Filho de Deus, amou, fez o bem e deu-nos o exemplo de vida santa, abnegada e solidária. Imitemos a compaixão de Cristo, pois, é desumano e blasfemo matar, ofender e fazer o mal, em nome de Deus, Supremo Bem, Verdade e Beleza. Devemos, antes, cumprir a regra de ouro “não fazendo ao outro o que não desejamos que o outro nos faça a nós”. O amor a Deus exige o amor ao próximo, que é a prova que O amamos, pois, “o que não ama o irmão que vê, não pode amar a Deus a quem não vê” (1 Jo 4,20).


3.- Exorto os Sacerdotes e os Fiéis da Diocese a apreciar e frequentar, assiduamente, o Sacramento da Reconciliação, que é o Sacramento da Alegria e da Cura interior, cuja importância o conhecido escritor francês, Alphonse Daudet, autor de “Lettres de mon Moulin”, vincadamente sublinha, no conto “O Cura de Cocugnan”. Precisamos de ser perdoados, purificados do pecado, de ser guiados e experimentar a alegria do perdão e misericórdia de Deus. Os Padres confessem-se, de mês a mês, e vivam, rectamente, uma vida santa. Na medida em que puserem em prática a vontade de Deus e viverem segundo a recta consciência, conquistarão os outros, para Cristo. Não se pode oferecer a outros o que não queremos para nós. Se queremos que outros aceitem o perdão e a misericórdia de Deus, abeiremo-nos nós mesmos, queridos Padres, do Sacramento da Penitência, testemunhando que somos pecadores e beneficiários do perdão de Deus. metformin er 500 dosing


4.- Promover Vias Sacras, Procissões Penitenciais, Peregrinações a Santuários, Retiros e Reflexão, Visitas a Doentes e levar-lhes o Viático e a Unção dos Enfermos. Assegurar a Adoração Eucarística, as Quarenta Horas, “Laus Perene” e o “Dia para o Senhor”, que o Papa recomenda. Peço aos Padres para serem acolhedores, misericordiosos e piedosos instrumentos da infinita compaixão de Deus. “Bem-aventurados os misericordiosos porque alcançarão misericórdia”. other drugs like viagra


5.- S. Paulo pediu a Colecta, para a Igreja de Jerusalém, como sinal de solidariedade e co-responsabilidade. No ano 49 da nossa era, no Concílio de Jerusalém, foi pedido o donativo, em prol dos pobres. Os diversos Peditórios têm fins próprios e são sinal da co-responsabilidade eclesial,pelo bem comum. Eles fazem parte da vida do cristão, que não se compreende sem a partilha, a compaixão e a misericórdia.
Além dos Peditórios, como o de Sexta Feira Santa, para os Lugares Santos e outros, como o Contributo Penitencial da Abstinência da Cruzada, dado ao Bispo, os Fiéis ao longo do ano pratiquem a Renúncia Voluntária, dêem o donativo, que entenderem, para o fim indicado, cada ano, pelo Bispo, cientes de que as necessidades são muitas, cultivando a compaixão e ajudando os indigentes, filhos predilectos de Deus. propranolol dosage for anxiety attacks


Durante o Ano de 2016, a Renúncia Diocesana dos Católicos da Diocese de Vila Real será destinada, em partes iguais, para as seguintes instituições e necessidades:
1º – para o Centro de Apoio à Vida “Florescer”, na ajuda à vida humana, nascente e em todas as suas fases e auxílio, aconselhamento e acompanhamento das mães;
2º - e para ajuda do Seminário de Vila Real, necessitado de obras, e para  promover e acompanhar as Vocações Sacerdotais e Ministeriais Diocesanas. ventolin inhaler harga


Estas duas intenções foram as do primeiro bispo, D. João Evangelista de Lima Vidal, que fundou as Florinhas da Neve, que, no dia 8 de Dezembro, completaram 90 anos de existência, e lançou os alicerces do Seminário de Vila Real, que é o coração da Diocese.
Que Deus Vos abençoe e ajude a amar a verdade, a praticar o bem, a ser solidários, a ser abertos e misericordiosos, a praticar o bem e a crescer em santidade e rectidão. Deste modo a Vossa Quaresma será santa, benéfica e agradável a Deus.


Vila Real, 28 de Janeiro de 2016. viagra indian substitute


+ Amândio José Tomás, bispo de Vila Real. prednisone hives rash

viagra building
doxycycline monohydrate and alcohol
clomid nolva pct dosage
acheter du viagra en ligne