Search

Sé da Diocese de Vila Real

A igreja de São Domingos, sede de um convento dessa ordem fundado por monges vimaranenses em tempo...

Seminário de Vila Real

O Seminário foi, durante anos, auxílio fundamental para as famílias educarem os filhos e caminho d...

06
Setembro
2014

A COMUNIDADE DOS DISCÍPULOS

Triénio Pastoral sobre a Vocação, Evangelização e Missão da Família

 

 alt

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Caros Diocesanos: A graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco (2 Cor 13,13). Anunciamos a fé cristã, recebida, na família, como membros da comunhão de pessoas, que é a Igreja, composta de famílias. Tudo começa, em casa. Nada se faz sem o amor e a comunhão familiar, veículo da fé e de valores. O Papa Francisco, para a Evangelização, querida, por João Paulo II e Bento XVI, convocou dois Sínodos da Família: o Extraordinário, em 2014, sobre "Os desafios pastorais sobre a Família, no contexto da evangelização"; e o Ordinário, em 2015: "Jesus Cristo revela o mistério e vocação da Família".

Nos próximos três anos, a Diocese de Vila Real tratará a importância e natureza da Família e Matrimónio, com iniciativas e reflexões, que a valorizem, para, por ela, Cristo ser conhecido e amado, a humanidade salva e Deus ser tudo, em todos.

 

I - A Instituição Familiar, no contexto da Nova Evangelização e ao seu serviço.

 

1.- O "Instrumento de Trabalho" do Sínodo Extraordinário dos Bispos: "Os Desafios Pastorais da Família, no contexto da Evangelização", aborda o Evangelho da Família; a Pastoral da Família diante dos novos desafios; e a abertura à vida e a responsabilidade educativa. O Documento divide-se em três partes, assim resumidas:

 

-  A Primeira Parte apresenta: o Evangelho da Vida e da Família; a união do homem e da mulher, criados à imagem e semelhança de Deus; a vida, regulação de nascimentos e relações pré-matrimoniais; o individualismo materialista e descartável de hoje; a Lei Natural, importante, mas, confundida com o agradável, e assim do natural espontâneo se chega à poligamia, divórcio, uniões de facto, contracepção, a ver no filho, um óbice ao bem-estar, e a vetar o amor fiel, indissolúvel. A privatização da família tira-lhe voz, no trabalho, educação, saúde e na defesa da vida, desliga-a da paróquia e da Igreja e entrega-a à violência e aos erros.

 

- A Segunda trata a Pastoral da família, venda de órgãos e pessoas, álcool, jogo, droga, comunicação virtual, com o óbice ao diálogo e às relações pessoais e os horários cansativos, trabalho precário, flexível, deslocações, falta de repouso, sida, imigração, pobreza, guerra, matrimónios mistos, diversos cultos, escândalos sexuais, desemprego jovem, falta da habitação, irregulares, recasados, mas, o "não poderem abeirar-se dos sacramentos não significa serem excluídos da vida cristã e da relação com Deus".

 

 

- A Terceira Parte fala da "abertura à vida e responsabilidade educativa", tão ignorada; da confusão entre anti-conceptivos e métodos naturais e dos perigos da ideologia do género, devendo combater a cultura da morte, evangelizando pais, filhos e padrinhos.

 

Continuar...
 
05
Junho
2014

Boletim Diocesano

Boletim Diocesano n. 66